Bem vindo a DataCities - Cidades Inteligentes

(85) 99815-0004

Proposta de valor do BIM (Building Information Modeling) para o setor público
Proposta de valor do BIM (Building Information Modeling) para o setor público

BIM (Building Information Modeling) – Modelagem da informação da construção – está mudando a forma de fazer projetos de arquitetura e engenharia. O planejamento torna-se mais eficiente refletindo-se em ganhos para clientes e todo o ecossistema envolvido diminuindo atrasos, erros de projeto, retrabalho e redução os custos de manutenção das obras.

Governos de diversos países do mundo têm adotado a plataforma BIM em diferentes graus de maturidade. Alguns já adotaram BIM Mandates como Noruega e Áustria, Estados Unidos, Reino Unido, Suécia, Finlândia, Dinamarca, Hong Kong, Dubai e Singapura. Outros países já estabeleceram a implantação de BIM Mandates como Escócia, França e Catar. Na América Latina países como o México, Perú e Chile possuem programas de adoção. Além destes, Canadá, Portugal, Espanha, Holanda, China e Japão já possuem programas BIM planejados e em andamento e no último nível temos países se planejando para a adoção do BIM como Suiça, Bélgica, Itália, República Checa, Nova Zelândia e Brasil.

Neste cenário de forte adoção desta nova forma de projetar e construir podemos notar que algo de valor foi comprovado na plataforma BIM que gerou valor para estes governos: a otimização de processos, redução de custos e o desenvolvendo de modelos 3D para identificar problemas antes da execução entregando projetos no prazo e dentro do orçamento.

Dados da renomada empresa de consultoria Accenture (Stanford CIFE study on global productivity) revelam que a indústria da construção é uma das mais atrasadas em relação à produtividade ficando muito abaixo das indústrias de manufatura, logística, transporte, etc.

Mckinsey Global Institute – Reinventing Constution (Feb 2017) avalia a indústria da construção como uma das indústrias com menor grau de digitalização e produtividade ficando abaixo da maioria das indústrias como Mineração, química, utilities, óleo e gás e manufatura.

Segundo o BCG (Boston Consultiong Group) , até 2025, a digitalização em grande escala levará a economia de custo global de 13% a 21% nas fases de projeto, engenharia e construção e 10% a 17% na fase de operações. O valor do mercado global de construção para 2022 está estimado em 12,7 trilhões de dólares (Orbisresearch.com.). Se consideramos uma economia média de 15% teremos uma redução de gastos em quase 02 trilhões de dólares com a digitalização de processos na área da construção. Os ganhos na área de sustentabilidade e meio ambiente serão exponencialmente maiores.

No Brasil, o decreto federal nº 9.377 assinado em 2018 pelo governo federal estabelece metas e prazos para implementação do BIM e recomenda que todos os órgãos públicos utilizem a tecnologia BIM a partir de 2021.

O setor público, por ser um dos maiores contratantes, poderá atuar e se beneficiar da adoção do BIM em três principais áreas:

· Como contratante de obras públicas e infraestrutura para melhor gestão de obras, redução de custo, aditivos e redução de problemas não previstos.

· Como entidade que irá gerir os ativos físicos contratados e construídos utilizando a metodologia BIM nas fases e operação e manutenção.

· Como responsável por implementar políticas públicas na elaboração de legislações, políticas, regulamentos ou normas para melhorar o desempenho do setor da construção no país.

As empresas privadas que já exploraram o processo BIM e as tecnologias digitais compreendem suas vantagens e sua eficácia na redução de custos. Estas vantagens incluem uma melhor coordenação, produção mais rápida de informações precisas e confiáveis para melhorar a tomada de decisões e a qualidade dos resultados.

Recentemente, com o apoio da Bentley Systems, concluímos a primeira etapa de implementação do BIM na Prefeitura de Teresina, através do fornecimento de softwares, serviços de capacitação e consultoria ao NUBIM (Núcleo BIM da Secretaria de Planejamento) que entregou um projeto de uma escola municipal de Ensino Fundamental em tempo integral para a Secretaria Municipal de Educação (SEMEC).

“Eu acho importante a inovação da concepção de novos prédios para os nossos alunos da rede municipal de ensino. São prédios ecologicamente bem adaptados, com conforto ambiental e funcional, deixando o ambiente mais agradável. A escola vai trabalhar com energia solar e reaproveitamento de água e isso faz parte do currículo dos alunos, em saber que estamos adaptados ao respeito ao meio ambiente. Só tenho a agradecer a todos que desenvolveram o projeto e tenho a certeza que estamos mudando o padrão para muito melhor”, destacou Kleber Montezuma, secretário municipal de Educação.

O projeto já foi entregue oficialmente à Secretaria Municipal de Educação. “Será a primeira escola municipal em pavimentos, que possibilita a construção em terrenos menores e com melhor aproveitamento. É o primeiro projeto desenvolvido com o BIM na Prefeitura que marca uma nova forma de elaboração dos projetos, que é feita em conjunto em uma única plataforma. Temos a previsão de economizar tempo e custo na realização da obra, e confirmaremos isso com a execução final do projeto”, disse Virginia Moura, Líder do Núcleo BIM na SEMPLAN.

“Recebemos o pedido da SEMEC para a criação de um novo projeto para escolas municipais. A SEMPLAN acatou o pedido e buscamos implementar no projeto as melhorias estruturais que irão impactar positivamente no aprendizado e na qualidade da educação”, concluiu o secretário municipal de Planejamento, José João Braga.

No setor público, conforme podemos ver acima, estas vantagens traduzem-se em benefícios econômicos, como maior racionalidade econômica dos recursos públicos durante a fase de execução e melhor qualidade dos bens e serviços públicos durante a utilização do ativo construído. Para um decisor político, estes benefícios econômicos podem ser agregados num plano nacional para apoiar níveis superiores de produtividade além de outros benefícios: ambientais (redução de resíduos, redução de energia com projetos mais sustentáveis, sociais (melhor planejamento, consultas públicas para projetos de infraestrutura públicas ou modernização das existentes), etc.

Este envolvimento público poderá ajudar a projetar infraestruturas públicas mais harmonizadas com as necessidades das comunidades locais, traduzindo-se em melhorias para a população, melhor uso de recursos públicos, e proteção do patrimônio arquitetônico existente.

Concluímos, portanto, que o BIM, por oferecer todos estes benefícios econômicos, ambientais e sociais para a gestão pública e população deve ser adotado o mais breve possível para que possamos melhorar cada vez mais nossos índices de produtividade e competitividade no mercado global.

Se você tem interesse em implementar um projeto inovador na área de BIM (Building Information Modeling) ou SmartCities em sua organização através de um projeto piloto efetivo com resultados reais, mantenha contato conosco. Avaliamos suas necessidades e objetivos e desenhamos soluções customizadas e eficazes que geram valor e retorno do investimento para nossos clientes.

Gostaria de receber uma ligação ?

Clique e Saiba Mais

Assine
Para receber as novidades.